[Neuro]patologia da amnésia

Dando continuidade ao tema do último post, hoje pretendo discorrer sobre um assunto muito interessante, principalmente para pesquisadores (como eu) interessados pelas recentes descobertas da neurociência. Refiro-me aos muitos estudos sobre a amnésia, tanto em humanos como em animais.

Em primeiro lugar, vamos à definição do termo:

AMNÉSIA é uma manifestação cognitiva e refere-se à um déficit de memória, que pode se apresentar total ou parcialmente em estado de comprometimento.

A amnésia pode ser temporária quando, por exemplo, um indivíduo leva uma pancada de leve na cabeça, levando-o ao desmaio, mas esquecendo-se apenas de eventos que ocorreram pouco antes do golpe. Geralmente ocorre em esportistas, como jogadores de futebol, boxeadores ou lutadores de vale tudo. Há também, cada vez mais comum, a amnésia alcoólica em que a quantidade de bebida ingerida pode determinar quais memórias serão ou não preservadas, fazendo com que o sujeito não se recorde de muitos eventos ocorridos após o efeito do álcool ter se dissipado. Por outro lado, quando áreas específicas do cérebro são danificadas, a amnésia pode ser permanente.

Imagem

É importante descrever os dois tipos de amnésia descritos na literatura. A amnésia retrógrada (AR) e a amnésia anterógrada (AA). Na AR o indivíduo perde a capacidade de evocar informações do seu passado, como por exemplo, onde e quando nasceu, quantos filhos tem, em que cidade morou. Ao passo que na AA há uma incapacidade de reter novas informações, isto é, o indivíduo não consegue “aprender” como antes, uma vez que o uso do componente de memória responsável por essa habilidade (memória explícita) está prejudicada (o tipo de memória preservada em pacientes amnésicos, chama-se memória implícita, que é um tipo de memória mais “automática”).

As principais causas da amnésia são:

– Traumatismo crânio-encefálico (acidente de trânsito, queda, agressão devido a assalto)

– Acidente vascular cerebral (que pode ser hemorrágico ou isquêmico; e por golpe)

– Infecção cerebral (encefalite, meningite)

– Hipóxia ou anóxia (falta de oxigênio no cérebro)

– Tumor cerebral (meningioma)

– Síndrome de Korsakoff (ingestão crônica de álcool)

– Outros…

Todas essas causas podem lesionar diversas regiões do cérebro responsáveis pela memória, como o hipocampo, uma estrutura que retém/armazena as informações que recebemos do mundo. Quando esta região é danificada permanentemente nossa capacidade de consolidar, armazenar e evocar informações não desempenha mais o mesmo papel com a qualidade de antes.

Em meu trabalho com Neuropsicologia, tanto na área clínica quanto na área de pesquisa tenho observado idiossincrasias em pacientes amnésicos, mas de uma forma geral, na prática clínica a divisão conceitual que a literatura faz dos tipos de amnésia não é tão delineada. Em pacientes que possuem comprometimento da memória esses dois tipos de amnésia (anterógrada e retrógrada) não se apresentam de forma única, uma vez que os pacientes podem apresentar os dois tipos de amnésia em níveis e intensidades variadas. Por esse motivo que muitas pesquisas estão sendo desenvolvidas para compreender os mecanismos e processos envolvidos na memória, as regiões responsáveis por cada subtipo, os diferentes tratamentos, e os métodos de trabalhos mais eficazes para cada tipo de déficit.

 [o esquema abaixo representa os conceitos de amnésia retrógrada e anterógrada]

Imagem

Particularmente, na pesquisa que tenho desenvolvido com pacientes amnésicos, procuro compreender sob quais condições esses pacientes conseguem reter uma quantidade maior de informações quando estas são apresentadas uma única vez. Além disto, um dos principais objetivos deste estudo é o de tentar tornar mais nítidas quais variáveis estariam envolvidas nos processos de consolidação da memória (guardar informação).

Encontro-me numa difícil tarefa, pois os resultados deste estudo têm gerado diversas questões que ainda precisam ser respondidas. Por outro lado, tem me movido nesta busca por um entendimento mais claro do papel que a memória desempenha tanto em cérebros comprometidos, quanto em cérebros sadios.

Não tenho dúvidas de que em breve teremos grande parte das respostas para essas dúvidas sobre essa incrível máquina que chamamos cérebro. Coming soon!

Dica de leitura: Para os curiosos de plantão sobre o tema do post, sugiro pesquisarem sobre o famoso “caso H.M”, um paciente que sofria de epilepsia do lobo temporal medial (região localizada na parte lateral da cabeça) e que foi submetido a uma cirurgia com o intuito de diminuir o foco das crises. Por conta da cirurgia, passou a ter dificuldades de reter novas informações.

71 pensamentos sobre “[Neuro]patologia da amnésia

  1. Olá Lu, muito boa a sua matéria. Gostaria de fazer uma pergunta, e se possivel vc me responder.
    Minha irmã, sofre de um MAL que os médicos ainda não deram nenhuma resposta satisfatória, e lendo a matéria creio que seja AMNÉSIA. Derrepente ela se encontra fazendo tudo normal, mais ela sente a necessidade de DORMIR. Ela dorme um dia todo, e quando acorda não lembra o que aconteceu com ela. Por exemplo no dia anterior, ou noite, ou tarde. Ela fica com fisico muito ruim, e depois volta novamente normal.Isso costuma dar de tempo em tempo. Cada 6 meses.Fico feliz se vc puder nos ajudar dando algumas explicações. Salete. (Prima) Curitiba.Pr.

  2. Olá Salete, que bom que você tem acompanhado o blog. Fico feliz de poder atingir as pessoas com meus textos. O objetivo é esse mesmo, de levar informações, tirar dúvidas, enfim. Bom, vamos lá: pelas informações que você trouxe, me parece mais um tipo de distúrbio do sono do que uma amnésia. A amnésia seria um resquício do distúrbio, um sintoma de outra doença. Não tenho dados suficientes para afirmar, mas a Narcolepsia, um tipo de distúrbio do sono pode estar associada a um evento amnésico. PODE SER algo dessa natureza que esteja ocorrendo com sua irmã, mas não posso afirmar que seja isso. O ideal seria continuar investigando, fazendo análises e avaliações sobre o caso, até mesmo avaliações cognitivas da memória. A única coisa que posso dizer com alguma certeza é que se em outras situações ela lembra normalmente dos eventos, ela não possui amnésia.

    Espero ter ajudado.
    Grande beijo,
    Luciane

  3. Olá Luciane! Boa noite parabéns pelo blog, por favor me tire uma dúvida estou fazendo uma pesquisa acadêmica sobre o ensino da matemática para crianças com Síndrome de Down e meu interesse é em relação ao cognitivo de pessoas com essa Síndrome. Ao fazer pesquisa de campo alguns professores me relataram que muitos alunos não conseguem fixar ou tem dificuldades de guardar informação. Você poderia me esclarecer um pouco sobre essa questão, isto é, como a alteração genética interfere no processo de preservação de memória e como isso pode atrapalhar no desenvolvimento cognitivo dessas pessoas ? Se possível me indica alguma bibliografia. Desde já lhe agradeço!
    Rafael – Mesquita – RJ.

    • Olá Rafael, fico feliz que tenha gostado do blog. Vejamos se consigo esclarecer algumas questões. Portadores de síndrome de Down não possuem dificuldades de memória, especificamente. O que eles apresentam é uma lentificação no processamento das informações, e consequentemente, demoram mais para aprender coisas novas. E isto, é claro, se reflete na aprendizagem da matemática, ou mesmo da escrita, da leitura, de aprendizagens motoras, como andar de bicicleta, enfim. Do ponto de vista cognitivo, a entrada da informação ocorre de uma maneira diferenciada, de tal forma que talvez seja necessário e importante fornecer poucas informações no momento de ensinar um conteúdo novo. Também é preciso passar uma informação de cada vez, pouco a pouco, e repetir algumas vezes, dependendo das dificuldades que o sujeito apresenta. Não podemos esquecer de que cada um possui suas singularidades e que dentre os próprios portadores da síndrome existe uma variabilidade individual. Então, em muitos casos, a pessoa não apenas tem a síndrome, como também apresenta dificuldades de linguagem, por exemplo; ou alguma alteração de comportamento. O que ocorre é que como eles demoram mais para processar a informação, cognitivamente o desempenho deles é inferior. Isso não significa que eles não sejam capazes de aprender, ok. Apenas possuem um ritmo diferente.

      Não podemos nos esquecer de que o cérebro é como um “sistema” que se interliga e se interconecta com suas diversas redes neuronais. Ou seja, se há falhas em algum processo de memória, talvez algum outro processo subjacente pode estar afetado, como por exemplo, a atenção. Se o sujeito possui algum déficit de atenção (como por exemplo, no TDAH), isso com certeza irá afetar a memória, e por fim, a aprendizagem.

      Quanto à sua dúvida sobre como uma alteração genética interfere na memória, não saberia falar muito a respeito. Mas podemos pensar em doenças como as demências (doença de Alzheimer, demência frontotemporal), na esclerose múltipla, na Síndrome de Tourette ou no autismo. Essas doenças possuem fortes componentes genéticos, mas salvo as demências e a esclerose múltipla, que são degenerativas, nem sempre vêm acompanhadas de problemas de memória. Ou seja, há casos em que esse problema é secundário.

      Bom, espero ter ajudado. Algumas bibliografias que podem tratar desse tema são:
      – Neuropsicologia do Desenvolvimento e suas Interfaces – Transtornos e Abordagens
      – Inclusão e Singularidade – Desafios da Neurociência Educacional
      – Neurodesenvolvimento e transdisciplinaridade
      – Neuropsicologia do Desenvolvimento – Conceitos e Abordagens

      Veja se encontras algo nessa temática.
      Um abraço,
      Luciane!

      • Muitíssimo obrigado!! Com certeza ajudou de mais.
        Grande abraço e tudo de bom,
        Rafael

  4. Olá! Boa noite! Encontrei seu blog procurando por um assunto que tem me intrigado muito ultimamente: Durante algumas vezes, em noites espaçadas, acordei e não reconheci o meu marido que estava dormindo ao meu lado!!! Eu converso com ele, pergunto quem ele é, e teve uma vez eu fixava o olhar com atenção para reconhecê-lo, até q consegui. E então, imediatamente eu volto a dormir. Tenho o sono bem pesado, raramente acordo a noite não tomo nem nunca tomei reédios para dormir. Isso já aconteceu umas 5 vezes e tem me assustado bastante…seria um problema neurológico ou um distúrbio de sono?? Se vc puder me ajudar eu agradeceria imensamente. Muito obrigada. Rose

    • Olá Rose! É a primeira vez que tenho conhecimento de uma situação como essa que você colocou. Mas suponho que seja algo relacionado ao nível de consciência de uma pessoa que acabou de acordar. Existem graus de consciência do menos ao mais elevado. Consciência no sentido de lucidez mesmo. Situações assim acontecem em crianças que tem o sono muito pesado e falam e/ou andam enquanto dormem, mas não se recordam no dia seguinte. Se isso ocorre apenas nessa situação, acredito que não exista nenhum problema maior. No entanto, como você reconhece como algo que te assusta, não custa nada checar num especialista e descartar qualquer hipótese biológica. Espero ter ajudado. Abraços!

  5. Olá! Tenho uma irmã que sofre de enxaqueca crônica, com aura, há muitos anos. Ela também tem problemas hormonais, parou de menstruar aos 27 anos, faz tratamento para tentar controlar a tireoide. Há mais de 5 anos leva uma vida incapacitante, pois tem crises fortíssimas de enxaqueca cada vez mais frequentes, ultimamente quase diárias só melhorando quando vai até ao hospital e toma um coquetel de medicamentos. agora ela começou a ter desmaios diários também, mas não são epilépticos. Não percebe quando vai desmaiar e desperta como se não tivesse ocorrido nada. Porém o último desmaio que teve foi diferente. Há dois dias atrás o marido encontrou-a no chão desmaiada e quando ela despertou estava com uma amnésia parcial. De várias pessoas, inclusive filhos não se lembrava, ou dizia achar que ainda eram pequenos. Achava que era bem mais nova, que o pai falecido ainda era vivo, Está recobrando algumas coisas bem lentamente e diz que quando força a memória, a cabeça dói. Está bastante confusa.Já viu algo parecido?
    Joana

    • Oi Joana, suponho que sua irmã já tenha ido ao neurologista, certo? Porque me parece que o quadro clínico dela se assemelha a crises de ausência típicos de epilepsia. Ela tem convulsões? Talvez seja importante investigar isso junto a médicos neurologistas e se caso seja isso, ela precisaria ser medicada com anticonvulsivantes. Agora, do meu conhecimento, sim, é possível que haja uma perda de memória, principalmente se ela tem crises de ausência e desmaia. Os pacientes relatam não lembrarem de nada durante um tempo, mas depois recobram as memórias. No caso de amnésia anterógrada, que é a dificuldade de reter novos conhecimentos, isso é bem comum em pessoas com epilepsia do lobo temporal medial. Aconselho que ela faça exames de EEG (encefalografia) para que se possa observar as ondas cerebrais e detectar uma possível epilepsia. Espero ter auxiliado. Abraços!

  6. OI gostaria de saber até quanto tempo é normal ficar com amnésia, depois de uma pancada
    meu irmão sofreu acidente de moto bateu a cabeça, e ele dorme e esquece quem ele viu com quem falou, as vezes ele volta no tempo, fala também coisas sem sentido do tipo no hospital falando que tava numa chacara, ta assim há 5 dias, numa outra ocasião ele também bateu a cabeça e ficou assim cerca de 10 dias.. O fato de já ter acontecido pode ser que não volte mais ao normal?

    • Olá Michele, é normal bater a cabeça e ter o que chamamos de Amnésia pós-traumática (APT). Esse tempo varia de acordo com a pancada, se atingiu e lesionou uma área importante do cérebro. Mas veja bem: casos mais graves, como aqueles em que a pessoa fica em coma, ou internada em hospital, podem ou não ter dificuldades de memória ou ficar com uma amnésia temporária. O que aconteceu pode ser transitório, mas se não passar, procure um neurologista. Abraços!

  7. olá cai no banheiro e fiquei quase uma hora desacordada, não consigo mi lembrar de muitas coias do passado gostaria de saber se isso vai passa??estou meio assustada , gostaria de saber se vc ja viu algo assim ! obrigada

  8. olá cai no banheiro e fiquei quase uma hora desacordada, não consigo mi lembrar de muitas coias do passado gostaria de saber se isso vai passa??estou meio assustada , gostaria de saber se vc ja viu algo assim ! fiz todos os exames e nao deu nada sera que é normal???

    obrigada, abraço!

  9. Ola Lu

    Minha irmã caiu na escada, de início ficou inconsciente, não se lembrava de si mesma, depois de umas horas voltou a consciência porem desmemorisada, não se lembra de coisas de 10 anos pra trás. Ou seja, dos últimos 10 anos não se lembra de praticamente nada. Fez duas tomografias, uma após a queda e outra após 48 horas, nas duas não acusou nada, fez un exame de sangue e deu anemia. Faz 5 dias que isso ocorreu. Quanto tempo será que pode levar esse estado de amnesia?

    Obrigada
    bjs

    • Oi Luciana! Se o quadro dela for um estado de amnésia transitória, ou amnésia pós-traumática, então é preciso esperar mesmo. Embora nosso cérebro seja estruturalmente muito parecidos, funcionalmente não podemos dizer o mesmo quando falamos em lesão. Às vezes os exames não acusam nada, mas pode ter “machucado” alguma região importante e prejudicado alguma função mental. Por isso, não temos como determinar quanto tempo vai levar para ela recuperar a memória, nem quanto ela vai conseguir lembrar. Observe se ela terá outras alterações comportamentais, cognitivas ou até emocionais. Espero ter ajudado. Abraços@

  10. Boa tarde!
    Ano passado após ter tido Eclâmpsia no parto da minha pequena além de ter ficado com manchas na visão permanente e sem a visão durante alguns segundos no dia seguinte, também comecei a ter “apagoes” a ponto de não reconhecer NADA NEM NINGUEM marido, bebê e até minha casa!
    Esses “apagoes” duravam somente segundos e depois eu ficavam sem entender e aterrorizada. Um neurologista após pedir TODOS O EXAMES POSSÍVEIS e não alcançar a raiz do problema me passou DEPAKOTE que amenizou as ocorrências desses eventos.
    Como há pouco tempo descobri que tenho Transtorno de Déficit de Atenção estou sem saber se os “apagoes” ocorriam por causa da Eclâmpsia ou do TDA.
    Se puder me indicar um caminho por onde começar a investigação seria bom pois assim começaria o tratamento adequado desde já.
    Obrigada, bom trabalho!

    • Boa tarde, Marcelle! Como são exatamente esses apagões? Quanto tempo duram? E qual exatamente é seu diagnóstico dado pelo médico? Pelo que você descreveu parece que você tem crises de ausência, ocorrências bem comuns em pessoas com quadros de epilepsia (esses quadros podem variar, de leve, moderado e grave). Você chegou a fazer eletroencefalograma (EEG)? As crises de ausência duram poucos segundos e geram um pouco de confusão mesmo. Veja com seu médico se é necessário no seu caso fazer um EEG, pois esse medicamento é receitado também para pessoas que tiveram lesão cerebral e previnem contra e epilepsia. Espero ter ajudado. Um abraço!

  11. Bom dia Luciane!
    Obrigada pela atenção. Então, as crises o médico supôs ser ausência mesmo e elas duram poucos segundos. Ja até bati a moto por causa disso.
    Mas essas ausências NUNCA ocorreram até eu ter a Eclâmpsia. Fiz o EEG mas nao viram alterações. Fico pensando se a Eclâmpsia não deixou alguma lesão mais complexa.
    Vou pedir ao neurologista pra repetirmos o EEG.
    Mas o diagnóstico que tive recentemente foi o de Déficit de Atenção que só piora e muito, nem carteira eu tenho condições de tirar e a moto que tenho que nem exige carteira deixei de lado.
    (Me desculpe pela falta de ordem das frases ta muito difícil)

  12. Ola Luciane!Sofri um acidente de moto ha um mes e meio,em que tive varias escoriacoes pelo corpo,cortes e tambem bati muito com a cabeca no asfalto,pelo que pude identificar pelo estado deploravel que ficou meu capacete,alem dos relatos das testemunhas que pres0enciaram o acidente,pois eu mesma nao vi nada na hora,so vi quando ja estava toda machucada.Fui socorrida e levada ao pronto socorro,fiz varios raios-x do corpo todo e uma tomografia da cervical,que nao apontaram lesoes,mas nao fizeram exames na minha cabeca,pois eu nao sentia dor.No dia seguinte ainda no pronto socorro,tive muitas tonteiras e vomitei muito,mas acabaram me liberando,disseram ser por causa do choque.Mas o problema e que andei reparando que desde o acidente ando muito esquecida,as pessoas dissem que me contaram coisas que nao lembro,esqueco o nome de pessoas proximas e outras coisas do dia a dia,nada muito grave,mas fico preocupada que se agrave.Tambem uso topiramato 25 mg para enxaqueca,que segundo a bula pode causar perda de memoria,mas ja uso a algum tempo e nao tive problemas anteriores ao acidente.Posso estar com a memoria ruim por causa do acidente?

    • Olá Ana, obrigada por compartilhar seu relato. Se você bateu a cabeça e passou a ter dificuldade de memória (já que algumas pessoas também lhe dizem que está com dificuldades em lembrar de algumas coisas), é possível sim que o seu acidente possa ter causado algum prejuízo. Curioso é que no hospital não lhe pediram exames de ressonância da cabeça nem tomografia, o que geralmente é feito nesses casos. Talvez se você fizer os exames não acusem nada, mas existe a possibilidade de o exame mostrar alguma coisa e você poder tratar seu problema. De qualquer modo, o ideal seria você ir a um neurologista, pedir um exame clínico e se ele achar necessário, recomendar uma avaliação neuropsicológica para ver como contornar isso. Espero ter ajudado. Um abraço!

  13. Olá Luciane,adorei o seu texto!! Eu sou estudante de psicologia, e durante a leitura me surgiu uma dúvida, e você como neuropsicóloga talvez consiga me explicar. Não é sobre a amnésia e sim sobre pessoas com déficit de atenção. Como que a neuropsicologia vai explicar a aprendizagem pela memória implícita em pessoas com esse déficit ? É possível existir aprendizagem?
    Desde já agradeço, abraços

    • Oi Larissa, obrigada por escrever.
      Bem, é possível sim. A memória implícita é um tipo de memória mais automática e “menos consciente”, então mesmo que a pessoa tenha um déficit atencional é possível aprender muito por memória implícita. Isso na verdade já acontece com essas pessoas. Por exemplo: digitar no teclado sem precisar olhar para as teclas, ou aprender um novo instrumento musical, fazer sempre o mesmo caminho para ir para o trabalho, ou para a escola, enfim. Sim, é possível aprender mesmo com essa dificuldade porque são sistemas cerebrais e mecanismos diferentes. Um abraço!

  14. Olá Luciane! Ultimamente tenho observado que quando durmo a tarde acordo sem me lembrar muito das coisas. É como se eu não soubesse onde estou e nem o que tenho que fazer depois. Levo um tempo pra me situar. Esses dias esqueci meu filho na escola, porque acordei e não lembrava nem que ele existia. Ah tbm tenho tido dificuldade de lembrar onde guardo as coisas e as vezes nomes de algumas pessoas. Estou ficando preocupada com isso. O que pode ser?

    • Olá Vanessa! É meio preocupante mesmo… Como eu não sei seu histórico não tenho muito como dizer, mas se isso está bem frequente você parece estar com sintomas de amnésia sim. O que você pode fazer é procurar um neurologista e explicar tudo isso. Ele vai te pedir um exame de ressonância, e fazer uma série de perguntas para saber se sua memória realmente está prejudicada e como você está no seu dia a dia. Não deixe de procurar um médico, pois como não sabemos o que está acontecendo, é melhor tentar prevenir agora. E também, é importante que você faça uma avaliação neuropsicológica principalmente para avaliar sua memória recente e tardia. Espero ter ajudado! Abraços!

  15. Luciene, tudo bem?
    Meu nome é Bruna, tenho 27 anos e sou de Recife/PE. Estava procurando matérias na internet sobre lapsos de memória e fui direcionada ao seu blog.
    Tenho uma dúvida e gostaria de saber a sua opinião.
    De alguns anos pra cá percebo que tenho alguns lapsos de memória, tanto no dia a dia (esquecendo nomes de pessoas ou coisas, mas depois lembrando rapidamente). No entanto, certa situação tem me causada um pouco de estranheza. Eu durmo geralmente 7 horas por dia em dias de semana. No entanto, nos finais de semana gosto de dar um cochilo no final da tarde. Então, quando acordo desses cochilos, eu fico com um lapso de memória e acordo me perguntando “quem sou, de onde vim, onde estou etc”. O que me deixou um pouco preocupada foi o fato que, da última vez que aconteceu, cerca de duas semanas atrás, meu marido me acordou e eu não o reconheci. Cerca de 30 segundos depois minhas memórias voltam ao normal sempre quando acontece. Nunca tive esse tipo de lapso ao acordar depois de uma noite normal de sono, pois sempre ocorrem quando dou uns “cochilinhos” fora do horário comum.
    Então, a minha dúvida é a seguinte: devo me preocupar com isso? Existe literatura científica sobre esses tipos de lapsos de memória pós-sono? Devo procurar um médico e, caso afirmativo, qual?
    Desde já agradeço se puder me responder.
    Bruna.

    • Olá Bruna, desculpe a demora em responder. Bom, sempre recomendo procurar um médico neurologista para investigar o que está acontecendo quando esses lapsos/falhas de memória prejudicam as atividades e a vida da pessoa afetada. No seu caso, pelo que entendi, é depois que acorda. Me parece que há um rebaixamento do seu nível de consciência além do esperado, talvez por isso você demore a se situar no tempo e no espaço. De qualquer modo, eu recomendaria que você pudesse prestar atenção se seus lapsos estão te atrapalhando em outras situações, mas talvez algumas coisas que você possa se perguntar é:
      * há quanto tempo isso vem ocorrendo?
      * em quais situações?
      * esses lapsos surgiram depois de ter batido a cabeça ou ingerido alguma substância?
      * alguma coisa na sua rotina mudou, que poderia ajudar a explicar esses sintomas?
      Se você achar que as respostas que encontrar te levar a maiores dúvidas, procure sim um médico.
      Espero ter ajudado.
      Um abraço!

  16. Oi boa noite,
    Vi o seu blog e espero que possa me ajudar…meu marido sofreu um acidente grave de bicicleta, isso mesmo bicicleta..eestava chovendo no dia ele veio embora do serviço de bicicleta e quando estava chegando escorregou e bateu com a cabeça na guia, ele não desmaio socorrersm ele na hora chegou todo ensanguentado no hospital tinha feito um corte enorme na cabeça, passou por series de exames tudo normal com muita dor no pescoço porém sem nenhum trauma, bom aquela noite ficou no hospital em observação, levou 38 pontos entre a testa e a cabeça o olho roxo e cabeça bem inchada, foi por Deus se salvou, hoje se passaram 1 mês e meio no inicio não se lembrava de nada eu então era uma estranha a ele, chorei tanto sofri tanto, ainda mais qu a familia dele não gosta de mim e fizeram de tudo pra me tirar da cabeça dele a ponto de levarem ele pra casa deles longe dos meus cuidados, bom hoje esta comigo, mas está muito mudado mas amargo comigo parece que não é a mesma pessoa, me maltrata e hoje falou que não se lembra de tudo que vem uns frexes na cabeca dele só, fiquem mal e disse que nem sabe se me ama mais, isso pode ser amnésia do acidente, ele vai melhorar vai voltar a se lembrar, já não sei mais de nada, fala que agora ele renasceu de novo e só pensa nele, as vezes acho que ele esta aproveitando a situação pra me maltratar assim..oo pior que estou esperando um filho dele antes queria muito esse filho mais agora depois de ter batido a cabeça parece que não quer mais…me ajude to sofrendo muito…

    • Boa noite, Deise! Que triste tudo isso que você está contando. Você tem sido muito forte em enfrentar essa situação, pois não é fácil mesmo lidar com pessoas que sofrem acidente cerebral, porque não é só a pessoa especificamente, mas tudo o que está ao redor dela: trabalho, família, amigos…Bom, a primeira coisa que você deve fazer é tentar manter a calma. Isso mesmo. Como você mesmo falou, ele está sim com um quadro de amnésia, embora eu não possa de dizer em que grau. Pelo que você conta, ele não tem feito nada de propósito, mas sim, está tendo alterações comportamentais e de personalidade que são comuns em quem sofre dano no cérebro. Você precisa procurar um profissional da neuropsicologia que possa te dar orientações, e sugerir um tratamento específico para seu marido. Esse tratamento poderia se basear em ensinar seu marido que ele sofreu um acidente, que isso afetou seu cérebro e que está apresentando mudanças. Ele precisa também se orientar no tempo e no espaço com uso de calendário e agenda… Tudo isso é o início do tratamento, mas tem muitas outras questões que precisariam ser trabalhadas, como por exemplo, a família estendida dele, para informá-los de tudo o que está acontecendo. Procure um profissional e leve-o sempre ao neurologista para que possa acompanhá-lo.

  17. OLá Luciane gostei muito do seu blog vejo que vc responde todas as perguntas,parabéns! olha meu genro sofreu um acidente de moto bateu a cabeça ficou desacordado 2 dias, está ainda hospitalizado só que confunde muito as coisas ainda, as vezes lembra logo esquece diz um monte de coisas sem sentido, faz xixi treme e bate o queixo qdo vai comer ou beber sozinho, ele ficou muito agitado e tiveram que sedar ele isso é normal? por favor me oriente

    • Olá Leila! Como a batida na cabeça ainda é recente, seu genro irá melhorar a cada dia se o quadro estiver estabilizado. Pode ser que ele não lembre o nome dos objetos, que troque o nome das pessoas ou mesmo nem lembre. Esse quadro nós chamamos de quadro agudo e muitas alterações vão se apresentar, mas sempre melhoram. Procurem um psicólogo com formação em neuropsicologia, pois isso ajudará muito na recuperação dele. Um abraço!

  18. Olá Luciane Boa Noite !

    Gosto de seu Blog poís apresenta bom conteúdo elucidativo parabéns pela iniciativa, bom gostaria de explanar uma coisa que infelizmente venho vivendo com minha namorada. Estou num relacionamento de 2 anos, só que de dois ou três meses para cá, tenho notado nela amnésias frequentes, mas o engraçado é que elas se manifestam quando estamos discutindo sobre algo, nem chegamos a brigar, são nas discussões corriqueiras que ela ultimamente tem tido isto.

    Sequência:

    – Fica contrariada em nossas conversas as vezes sem motivo algum, começa a repetir uma mesma frase.

    – E quando menos espero ela tem amnésia, ela sempre volta digamos assim para o Mês de Julho, sendo que estamos em Dezembro, é como se ela tivesse de fato voltado ao passado.

    – reclama de dor de cabeça, sendo um detalhe curioso, sendo que antes não sentia isto.

    – Passado algumas horas ou minutos, ela volta ao normal de sua racionalidade, sabe onde esta e em que mês estamos, sente por mais um tempo esta dor de cabeça, mas o que me chama á atenção é que quando ela volta ao normal, ela sente como se estivesse tomando um tipo de choque em seu corpo, chega a tremer um pouco, mas logo após segue a normalidade.

    – Segundo ela, quando criança ou melhor entre um ano á um ano e meio, a mesma relata ter tido problemas com uma doença por nome meningite, enfim gostaria de saber que meios eu poderia trilhar para uma alta avaliação mais firme, remédios enfim e o principal Luciane á sua opinião quanto á isto que tem me deixado bastante triste. Grande abraço.

  19. Olá Luciane Boa Noite !

    Gosto de seu Blog poís apresenta bom conteúdo elucidativo parabéns pela iniciativa, bom gostaria de explanar uma coisa que infelizmente venho vivendo com minha namorada. Estou num relacionamento de 2 anos, só que de dois ou três meses para cá, tenho notado nela amnésias frequentes, mas o engraçado é que elas se manifestam quando estamos discutindo sobre algo, nem chegamos a brigar, são nas discussões corriqueiras que ela ultimamente tem tido isto.

    Sequência:

    – Fica contrariada em nossas conversas as vezes sem motivo algum, começa a repetir uma mesma frase.

    – E quando menos espero ela tem amnésia, ela sempre volta digamos assim para o Mês de Julho, sendo que estamos em Dezembro, é como se ela tivesse de fato voltado ao passado.

    – reclama de dor de cabeça, sendo um detalhe curioso, sendo que antes não sentia isto.

    – Passado algumas horas ou minutos, ela volta ao normal de sua racionalidade, sabe onde esta e em que mês estamos, sente por mais um tempo esta dor de cabeça, mas o que me chama á atenção é que quando ela volta ao normal, ela sente como se estivesse tomando um tipo de choque em seu corpo, chega a tremer um pouco, mas logo após segue a normalidade.

    – Segundo ela, quando criança ou melhor entre um ano á um ano e meio, a mesma relata ter tido problemas com uma doença por nome meningite, enfim gostaria de saber que meios eu poderia trilhar para uma alta avaliação mais firme, remédios enfim e o principal Luciane á sua opinião quanto á isto que tem me deixado bastante triste.

    • Olá Diego, deve estar sendo angustiante pra você o que está acontecendo, sem saber ao certo o que é. Se ela relatou que quando criança teve meningite talvez essas dificuldades podem estar associada a algum dano mesmo. Você falou que ela parece que treme o corpo. Talvez ela possa estar apresentando crises de epilepsia, pois há diversas formas dessas crises se manifestarem. Eu sugiro que vocês procurem um neurologista para solicitar exames de tomografia e ressonância. Mesmo que não aparecer nada nos exames (porque isso pode acontecer), é importante passar num neurologista e contar o que está acontecendo, pois isso pode progredir para algo mais sério. Espero ter ajudado. Abçs.

  20. Olá Luciane!!
    Meu irmão teve uma encefalite herpetica e teve
    Lesões nos lobos temporais… Ele não reconhece,
    Fala poucas palavras inteligíveis e não tem memória.
    Me ajude a recuperar meu irmão, por favor!

    • Oi Isa! O primeiro passo é procurar um bom neurologista, depois um neuropsicólogo que trabalhe na área de reabilitação. Lesões nos lobos temporais causa perda de memória que pode ser parcial ou completa, e até permanente. Provavelmente afetou a área da linguagem, então talvez ele precise de um acompanhamento com fonoaudiologia também. Veja se consegue seguir alguma ou todas essas orientações e você estará indo no caminho certo.

  21. Boa dia Luciane !!!
    Tenho um bebe de 11 messes ,teve episódios de febre ,convulsões,perda da memória,sem movimento algum, ficou internado por causas das convulsões.A Dr pediatra, que atendeu ele ,nos falou que ele teve encefalite viral.
    Fizemos uma tomografia ,para ver se ele não havia ficado com sequelas , a tomografia o resultado foi perfeito,não havia nada de sequelas,ganhamos alta ele começou no dia seguinte, a primeira noite ele dormiu muito bem ,a partir da segunda ,ele começou a acordar varias vezes durante a noite ,o sono dele não durava mais que uma hora e meia tanto de dia como de noite ,acorda em choro.
    Sempre tivemos uma rotina com ele ,tomava um banho logo em seguida ele já sabia que era hora de dormir ,dormia a noite toda em um sono só. Fico preocupada,vejo que ele não dorme o necessário,que uma criança precisa .relatei isso para Dr pediatra ela me falou que pode ter traumas por isso não dorme.
    Com 4 dias ele voltou com todos os movimentos ,falas ,sorrisos ,memória tudo certinho ,o problema e o sono ,devo esperar mais algum tempo pra ver se passa ou devo achar um neurologista, nossa Dr tratou ele só com remédios homeopáticos,queria saber sua opinião.
    Obrigado!

    • Olá Debora, provalvemente esses sintomas são passageiros. Quando nosso organismo sofre algum evento é natural que isso incomode por alguns dias. Como você disse, ele já está retomando tudo novamente e o sono vai precisar se adaptar novamente. Se você perceber que ele não consegue dormir horas seguidas por muitas noites, e isso está interferindo na saúde dele não deixe de voltar na pediatra. Mas meu conselho é: uma segunda opinião é sempre uma ótima opção.

  22. Boa tarde Luciane, tudo bem?!
    Eu gostaria de tirar uma dúvida com você, quando eu era mais novo eu sofri de uma perda de memória por pancada mesmo, do lado direito da cabeça à uns 3 ou 4 centímetros pra cima da orelha se me recordo bem, e isso já faz uns 8 ou 7 anos que aconteceu, e desde já estou tento dificuldades em memorizar algumas coisas e também quando falam comigo em questão de alguns minutos eu acabo esquecendo o que foi falado. Se você puder me ajudar eu ficaria um pouco mais tranquilo em saber o que é que está acontecendo comigo, eu li algumas coisas do seu blog por isso fiquei interessado em te pedir essa ajuda. Muito obrigado e tenha um ótimo dia!

    • Oi Angelo, pelo que você fala me parece mais um problema atencional do que de memória, mas posso estar enganada. Geralmente, quando alguém leva uma pancada na cabeça pode sofrer perda de memória temporária, que é o que você relata. Mas dificilmente esses sintomas voltam depois de tantos anos. Não podemos descartar alguma lesão que pode ter ocorrido e agora está se manifestando, mas isso é meio raro de acontecer. Se esses esquecimentos estão te atrapalhando muito, você pode procurar um neuropsicológo para solicitar uma avaliação neuropsicológica, pois existem vários fatores que podem estar levando a isso. É importante saber a frequência desses esquecimentos, desde quando começou a perceber, em que situações isso acontece… entende? Espero ter ajudado!

  23. Olá! Boa noite!

    Costumo consumir bebida alcoólica com frequência, na maioria das vezes cerveja. Geralmente, exagero na quantidade, principalmente nos finais de semana. Tenho tido muita amnésia. Isso me causa péssimos momentos de repressão. Sempre acredito ter feito algo de errado. No dia seguinte à bebedeira, procuro ligar para alguém que esteve comigo, para tentar saber se fiz algo reprovável ou se paguei algum mico. Até hoje nunca recebi qualquer informação de que tenha feito algo errado. Entretanto, minha “neura” é tão grande que acho que as pessoas estão omitindo algo. Não tenho sabido enfrentar tal situação. Gostaria de receber algum aconselhamento nesse sentido. Desde já, agradeço sua atenção!

    • Boa tarde, Pedro. Primeira pergunta é: você pretende manter o consumo de bebida alcoólica na mesma quantidade de sempre? Se a resposta for sim, acho que é mais vantajoso continuar acreditando nos seus amigos, do que criar mais um problema pra você. Agora, se você tem intenção de reduzir o consumo, o que na minha opinião é mais recomendável, penso que você pode receber algum tipo de acompanhamento psicológico com o objetivo de desenvolver um novo estilo de vida. Você precisa avaliar os riscos a que está sujeito, não pelos sintomas de amnésia que você descreve, mas por aumentar as chances de se colocar em comportamentos de risco. Há pesquisas demonstrando que o álcool é tão ou mais prejudicial que o uso de outras drogas pesadas como o crack. Acontece que isso não é divulgado e os malefícios a longo prazo do consumo de álcool são devastadores, como é o exemplo do texto que eu publiquei aqui no blog “De olho na Síndrome de Korsakoff”. Estou falando baseado na minha observação e experiência clínica, e como profissional da saúde minha orientação é essa para quem me procura. Abçs!

  24. Oi, lu. Adorei o blog!
    Tenho uma duvida: A dois anos sofri um acidente (fui arrastada por mais de 100 metros por um trem) e quando acordei do acidente nao lembrava de nada do que havia acontecido antes. Os médicos disseram que é normal e que logo lembraria.
    Passou-se 1 ano e não lembrei de muita coisa ainda, mas so acidente em si, sim. Fui vivendo normalmente a partir do acidente, so que tem me aparecido pessoas das quais nao me lembro. Lugares e etc. e isso acaba me deixando muito depressiva.

    Minha duvida é: Será que essa minha perca de memória é definitiva? Ou vai demorar alguns anos para q me lembre?

    • Oi Julyana… Uma parte do seu cérebro pode ter “apagado” algumas informações, mas pelo que entendi você está com dificuldades de lembrar de coisas que você já sabia e não tem mais acesso. Você percebe se esquece informações que acabou de ver? Por exemplo, se você está aprendendo uma habilidade nova, fazer uma receita de bolo, ir no banco pagar uma conta, etc., você esquece que fez isso depois que passou algum tempo, ou essas memórias ficam registradas? Porque se ficam, você teve uma perda de memória retrógrada, aquelas informações do passado que você terá que aprender novamente para lembrar. Porém, se você estiver apresentando dificuldades na memória anterógrada, ou seja, de experiências que você vive no dia a dia, aí seu quadro é mais delicado…

  25. Ola queria saber de uma resposta meu namorado dani ele tava com depressão pq a mãe e o irmão dele morreram ai ele melhorou da depressão mais ele entrou em amnesia ele ta fazendo tratamento deu um pouco de melhora mais depois nao deu mais melhora quanto tempp demora pra ele melhorar da amnesia???

    • Oi Jonathan. Primeiramente, amnésia não é um sintoma de depressão, então é importante verificar se o que o seu irmão tem, é amnésia mesmo. Segundo, se ele estiver com amnésia então deve ter uma outra causa. Sugiro que seja investigado com algum médico. Abs!

  26. Olá, Luciane. Eu queria esclarecer umas duvidas contigo e pedir um conselho se eu procuro ou não um neurologista.
    Eu sou estudante e tenho muita dificuldade de lembrar das aulas que eu tive, do conteúdo que eu estudei, normalmente em provas tenho que estudar até o ultimo minuto pra ter uma chance de lembrar e ir bem, porém, conteúdos que envolvem “decorar” a matéria eu sempre me dou muito mal.
    E isso não acontece somente com a faculdade, as vezes eu assisto um filme muito bom e lembro pouquíssimas coisas do que aconteceu, e pior já teve vezes em que eu assisti o filme 2x e na segunda vez as emoções eram as mesmas que eu tive da primeira vez, porque eu não lembrava quase nada.
    Eu já bati a cabeça no chão várias vezes quando eu era criança e até agora, adulta… quando eu era criança eu já dei 2x pontos na cabeça, uma porque eu cai e bati a cabeça na quina do boxe do banheiro e outra eu estava com uns bobes com ponta e bati minha cabeça na parede. Nunca foi feita nenhuma tomografia ou algo do tipo, por isso queria sua opinião pra ver se devo procurar um neurologista mesmo fazendo muitos anos.
    Obrigada pela atenção.

    • Oi Paloma, é estranho mesmo. Acho que vale a pena procurar um neuro sim, mas não necessariamente irá aparecer algo no exame. Acho que tomografia já ajudaria, mas dê preferência a um bom neurologista e veja se com exame clínico é possível te ajudar. Ainda assim, recomendo uma avaliação neuropsicológica completa pra ser possível observar quais as dificuldades que você tem, se são mesmo de memória ou envolvem outras funções cognitivas. Abraços!

  27. ola boa noite,tenho uma duvida,sofri um acidente de transito,mas por mais que eu tente eu nao consigo me lembrar como foi do momento que fui atropelada ate o momento que cai,como funciona a mente nesses casos?

    • Oi Carla, é muito comum isso acontecer. A pessoa não consegue lembrar do episódio porque sofreu um trauma na cabeça e afetou sua memória. Então você pode não lembrar mesmo. Nesses casos a gente diz que você teve uma perda da consciência no momento do acidente (o que por um lado é bom), mas não necessariamente você vai ter falhas de memória daqui para frente. Faz sentido? Abs!

  28. Olá boa tarde. Tenho uma filha de 5 anos. E já tem uma semana que ela acorda tremendo é falando coisas sem sentido, como se estivesse com muito medo, ela fica mas ou menos uns dez minutos assim. Estou assustada. Não sei o que fazer. Será q vc pode mim ajudar?

    • Boa tarde, Valdirene. Minha hipótese é que ela esteja apresentando episódios de terror noturno. Não é o mesmo que pesadelo, mas se trata de uma parassonia, um distúrbio do sono. Você pode levá-la num pediatra e ele fará as recomendações. Abraços!

  29. Ola Luciane, meu namorado sofreu um acidente. Foi diagnosticado com 5 coagulos no cerebro, tbm encontra-se inchado. Ele bateu a parte frontal da cabeça e com isso quebrou o nariz. Estou muito preocupada, ele tem dificuldades de lembrar das coisas, do passado e do presente não esboça reação nenhuma. Com uma certa dificuldade ele lembra das pessoas. Mas logo ele fica quieto pensativo e dorme. Logo no inicio ele so acordava com estimulos doloros. Agora ja esta acordando so. Não afetou a fala nem a locomoção nem a visão. Se vc puder entrar em contato pelo meu email ficaria muito grata. carolinaalbuquerque22@gmail.com estou muito desesperada. E agora a noite pesquisando sobre o assusnto encontrei seu blog gostaria de tirar duvidas e esclarecer algumas coisas. Um abraço

  30. Olá eu tenho 20 anos uma vez eu sofri um acidente de carro muito feio bati a cabeça e fiquei em coma por uma semana quando eu acordei do coma eu não me lembrava de nada eu fiquei com amnesia na verdade até hoje não lembro de nada do que aconteceu antes do acidente há isso aconteceu no mês de janeiro será que vou voltar a lembrar de tudo o que aconteceu??? Meu wthas é 05496343352

    • Olá Victor! Não temos como saber se você vai lembrar de eventos que antecederam o acidente. O fato é que nossa memória não é linear… então pode ser que seu cérebro trate de recuperar as informações, mas isso vai depender de como ele funciona e isso não temos muito como saber.

  31. Parabens pelo blog. Fazendo uma pesquisa encontrei seu artigo e gostei muito.Talvez voce possa me ajudar. Meu filho sofreu uma queda de bicicleta aos 11 anos, nao chegou a desmaiar mas teve amnesia, se lembra da queda e de se levantar, veio para casa e nao se lembra do trajeto,como ele mesmo diz teve um apagao do local da queda ate o momento que chegou em casa. Rapidamente o levei ao medico, mas nao fizeram exames por achar desnecessario ja que ele nao desmaiou.Durante dias passei a observar o comportamento dele e graças a Deus nao deve mais nada.Hoje ele esta com 17 anos e esta com todos os sintomas de TDAH.Por favor me ajude, nao sei qual especialista procurar. O rendimento escolar caiu muito, sem falar da convivencia familiar. Ele nunca teve problemas de saude. Sera que a queda causou isso?

  32. ola, meu pai teve um avch…ja esta acordado falando porem ele as vezes fala coisas do passado e coisas sem sentido q nem aconteceram…gostaria de saber se isso é passageiro e com o tempo ele vai conseguir armanezar as informaçoes e etc..os medicos dizem que é com o tempo q ele vai voltando ao normal

    • Oi Michel. Isso depende muito da gravidade da lesão dele. Quando ela não é grave normalmente o cérebro vai se adaptando e “sarando” da lesão. Organicamente isso acontece até atingir o máximo de melhora possível, que varia de pessoa para pessoa. Abs!

  33. Olá, sou professora e tenho um aluno que sofreu TCE há dois anos e atualmente pelo que li no seu post está com amnésia anterógrada, pois ensino algo agora, dois minutos depois já esqueceu. Tem algum exame que possa ser feito para saber se esse é o seu caso e tem algo que eu possa fazer para ajudá-lo? É reversível ou terá que conviver com isso?

    Parabéns pelo trabalho.

    Deisi

    • Boa tarde Deisi. Tudo vai depender do quão grave foi o TCE dele, porque dependendo, ele terá que conviver com isso sim. Se ele está amnésico é importante que ele possa ir a um neuropsicólogo fazer uma avaliação e ver o grau de amnésia que ele apresenta. Em exames de neuroimagem nem sempre é possível ver onde está lesionado. Aliás, muitas pessoas que tiveram TCE apresentam alterações cognitivas mas o exame não mostra nada. Fale com os pais dele e veja se consegue ajudá-los. Para esse menino seria fundamental, pois ele ainda está em pleno desenvolvimento e quanto mais cedo procurar ajudar, melhor. Abraços!

  34. Olá Luciane, achei seu blog por acaso e já amei. Gostaria que e se possível você me tirasse uma duvida.Quando bebê tive uma queda e bati a cabeça, desmaiei mina mãe me levou ao medico e não deu nada, mais até completar uns 10 ou 11 anos, (hoje tenho 21 anos) qualquer coisa eu desmaiava, e hoje em dia sofro com desequilíbrio, e não me lembro nada de quanto eu era criança e de uns tempos pra cá tenho tido dificuldade de lembrar certas coisas. Isso seria por conta da queda, ou um outro problema?

    Desde já agradeço.
    Um abraço e parabéns.

    • Boa tarde Tâmara! Desculpe a demora! Olha, pode ter a ver, como pode não ter. No seu caso, eu recomendaria que você fizesse algum exame de neuroimagem para ver se há algo biológico que explique isso. Se o exame não mostrar alterações então você pode tentar encontrar um neuropsicólogo para avaliar suas funções mentais e ver se está tudo em ordem. Porque é meio estranho você mostrar dificuldades de memória só depois de tanto tempo. Quanto aos desmaios, também considero importante consultar com neurologista. Um abraço!

  35. Tudo bem Luciane,

    Gostaria de uma orientação sua, tenho uma tive miningite quando tinha 5 anos, hoje tenho 40. A principio não tenho nenhuma sequela e tenho uma vida normal, fiz curso superior, trabalho normalmente. Mas tenho um problema com a memoria, por exemplo, quando aprendo algo, leio um livro a apenas um ou dois dias atrás ou converso com uma pessoa um assunto também a poucos dias ou no dia anterior, muitos vezes não lembro logo e se lembro do conteúdo, são partes apenas do que eu li, aprendi e conversei. As vezes lembro, mas tenho que pensar bastante reconstruir os fatos para aí sim eu começar a lembrar. Tenho dificuldade para prestar atenção, mas mesmo quando presto atenção não lembro de muitas coisas(estudo um assuntos, na hora parece que aprendi e gravei aquilo, mas pouco tempo depois esqueço a maioria das coisas que fiz, vivienciei. Isso é um problema grave, pois me atrapalha profissionalmente e nos estudos. Parece que nunca sei as coisas, porque em muitos casos em só lembro de partes ou não lembro do que preciso. As vezes em conversas com amigos, digo que não sei sobre tal assunto, pois como lembro apenas de poucos detalhes, as vezes passa a impressão de não sei o que estou dizendo, mesmo que eu tenho visto uma noticia de manha e convesarmos de noite sobre o assunto. Gostaria de sua orientação para ver com qual especialista devo consultar.

    Muito obrigado.

    Marcel

    • Boa tarde Marcelo! Posso imaginar como é difícil pra você. Bom, sobre seu estado atual, não posso afirmar que tenha a ver com a meningite, pois muitas pessoas também já tiveram esse quadro e não se observaram sequelas. No entanto, é um episódio importante sim e talvez no seu caso em especial pode ter contribuído para sua dificuldade em memorizar ou prestar atenção. Sem dúvida alguma, eu recomendo que você procure um neuropsicólogo para fazer uma avaliação. Você pode ter um quadro de desatenção que atrapalha todo o resto, mas só com uma avaliação é que isso será possível de observar. Se for constatado, você pode iniciar uma terapia para lhe ajudar também. Um abraço e desculpe a demora!

  36. Olá, meu nome é Roberto. Meu irmão caiu de bicicleta e bateu a cabeça, no momento ele não recordava oque havia acontecido, porém o que é estranho é que para ele, ele voltou ao passado…. ou seja , ele já estava idoso, já havia enclusive enterrado nossa mãe e nosso pai que ainda estão vivos, e quando ele vê nossos parentes ele chora muito pois ele diz que fazia muito tempo que não os via, percebe-se que o sentimento é forte e real.
    A memória dele sobre o acidente voltou aos poucos em questão de 3 hrs após o acidente.
    Oq me deixa curioso e preocupado sobre esse futuro incerto vivido por ele que ele permanece afirmando e dizendo que ainda não consegue acreditar que está vivendo novamente. Isso tem alguma explicação?
    Desde já agradeço e lhe parabenizo pelo trabalho.

  37. Olá, meu nome é Roberto. Meu irmão caiu de bicicleta e bateu a cabeça, no momento ele não recordava oque havia acontecido, porém o que é estranho é que para ele, ele voltou ao passado…. ou seja , ele já estava idoso, já havia enclusive enterrado nossa mãe e nosso pai que ainda estão vivos, e quando ele vê nossos parentes ele chora muito pois ele diz que fazia muito tempo que não os via, percebe-se que o sentimento é forte e real.
    A memória dele sobre o acidente voltou aos poucos em questão de 3 hrs após o acidente.
    Oq me deixa curioso e preocupado sobre esse futuro incerto vivido por ele que ele permanece afirmando e dizendo que ainda não consegue acreditar que está vivendo novamente. Isso tem alguma explicação?
    Ele tem 15 anos de idade.
    Desde já agradeço e lhe parabenizo pelo trabalho.

    • Boa tarde, Roberto. Quando que seu irmão bateu a cabeça? Ele está mudado em que outras circunstâncias? Nunca vi um quadro como esse, mas o que posso te dizer é que em se tratando do cérebro tudo pode acontecer. A memória é uma função altamente complexa e não é linear. Às vezes ela cria imagens na nossa cabeça que de fato não aconteceram e passamos a acreditar que sim. No caso do seu irmão, acho que o mais prudente é observá-lo sempre e fazer um acompanhamento com neurologista e uma avaliação neuropsicológica para ver se ele está com mais algum tipo de comprometimento. Abs!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s